Olá! Me chamo Luís e você? Seja muito bem vindo, aqui neste singelo espaço, você encontrará várias histórias e lendas, antigas e atuais da nossa bela Laguna





Foto: Elvis Palma | A tradição da pesca artesanal (Molhes da Barra)

3 de novembro de 2013

12 - Antes da Igreja: Um franciscano constrói a primeira capela de Santo Antônio

Na décima segunda história, um curto relato, sobre a primeira capela em homenagem à Santo Antônio nesta cidade, na época vila.

Perspectiva da Capela-Mor desenho de Masaaki Saito (Reprodução: Livro "Laguna, uma esquecida epopeia de bandeirantes e franciscanos, e a história de uma velha igreja")


Para registro antes de tudo
Abro uma citação, com trechos do livro "Laguna, uma esquecida epopeia de bandeirantes e franciscanos e a história de uma velha igreja", publicado por Ana Bertoli Arns em 1975 (2ª edição) na cidade de Curitiba
(...) Refere Affonso de E. Taunay, em sua obra "Em Santa Catarina Colonial", que "em 1609, Hernandarias Saavaedra apresentou relatório ao rei da Espanha."                                                                                  Nesse relatório consta que "em 1567, apareceu, entre os Carijós da atual Laguna, o jesuíta Padre Domingos Garcia a quem se queixou o velho morubixaba Tatarana das violências que lhe faziam, aos seus, os portugueses". (...)
A expedições espanholas e jesuítas, que aqui estiveram, receberão em breve um capítulo completo pra falar sobre elas, aqui hoje só deixo a citação.

Domingos de Brito e um franciscano constroem à Capela
Imagem de Stº. Antônio vinda de Portugal
(Reprodução: Livro "Laguna, uma 

esquecida epopeia de bandeirantes e
franciscanos, e a história de uma velha igreja")
Não sabe-se ao certo o ano de construção da primeira capela, sabe-se que em 1696, começou-se a construção da atual igreja matriz em estilo toscano, sem torres, e tendo a pequena capela como capela-mor anexada à igreja matriz. Podemos dizer que no intervalo de 20 anos (1676 - 1696), a pequena capela foi construída, sendo usada como ponto de oração aos fiéis da cidade.

Segundo Ana Bertoli em sua obra "Laguna, uma esquecida epopeia de bandeirantes e franciscanos e a história de uma velha igreja", a capela foi construída por um franciscano com a ajuda de Domingos de Brito Peixoto.

A Capela era pequena possuía um altar-mor, e três janelas, no altar mor está o corpo de Francisco de Brito Peixoto, que morreu em 1735, e pediu para ser enterrado no altar mor da capela (agora altar-mor da igreja).

Hoje em dia, a capela é usada como capela-mor da Igreja Matriz.
___________
¹ - conforme Ruben Ulysséa em Laguna: Memória Histórica

Referências:
Publicações:
*ARNS, Ana Bertoli. Laguna: uma esquecida epopeia bandeirante e francisca, e a história de uma velha igreja. 2ª Edição. Curitiba. Gráfica Imprimax. 1975. 193p.

0 comentários:

Postar um comentário

Olá, leitor! Tem alguma coisa à dizer?
Seu comentário será sempre bem vindo!
Peço gentilmente que o autor do comentário se identifique.

Copyright © Blog As Mil e Uma Histórias de Laguna | Direitos Reservados à Luís Claudio Joaquim Abreu

Design original: Anders Noren | Editado por LUCLA